Uma agenda para a esquerda só pode ser mundial

O que pode unificar distintas matizes da “nova” e da “velha” esquerda – contra as políticas de decomposição das funções públicas do Estado – é o exercício, pelo Estado, de políticas antagônicas às ditadas pelas agências privadas, que hoje orientam políticas e são responsáveis pela crise. O neoliberalismo teve a hegemonia abalada, mas não sucumbiu. Se os partidos de esquerda não reduzirem as taxas de pragmatismo e não se unificarem numa agenda avançada, o que obtivemos até aqui pode ser perdido.

Artigo de Tarso Genro publicado dia 23/2/2012 no portal Carta Maior. Leia aqui o texto na íntegra.

Compartilhe!

1 Comentário

  1. Está meio. bastante perdido. A agenda da esquerda, é de caráter mundial.

    Responder

Deixe uma resposta