Genro propõe um “Conselhão” no Rio Grande do Sul

por Sérgio Bueno, de Porto Alegre, publicado no Valor Econômico em 23/4/2010

Tarso: "A criação do conselho será uma ação para o primeiro mês de governo"

Primeiro pré-candidato à sucessão estadual no Rio Grande do Sul a apresentar um programa de governo, o ex-ministro da Justiça, Tarso Genro (PT), formalizou o plano de criar um Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social no Estado (CDES-RS). A estrutura segue os moldes do “Conselhão” do governo federal, que ele próprio coordenou no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A proposta faz parte de um texto que começa a ser distribuído hoje pelo partido e estará na internet nos próximos dias. Conforme o documento, o programa está em “construção”. Genro ainda tenta uma aliança formal com o PCdoB e o PSB e está promovendo reuniões com empresários e lideranças políticas do interior do Estado em busca de sugestões para o plano de governo.

O texto evita ataques mais fortes à governadora Yeda Crusius (PSDB). A exceção é a crítica ao “suposto equilíbrio fiscal” que teria sido alcançado pela tucana graças ao “baixo investimento” em áreas como educação e saúde. Em 2009, os investimentos da administração direta somaram R$ 662 milhões, ante uma previsão inicial de R$ 1,25 bilhão, devido aos efeitos da crise econômica sobre a arrecadação, conforme o governo. Mesmo assim, Genro afirma estar comprometido com o equilíbrio das contas públicas.

Segundo o petista, que divide com o ex-prefeito de Porto Alegre, José Fogaça (PMDB), a liderança nas pesquisas de intenção de voto, o CDES-RS será uma “câmara de concertação” para arbitrar, “no que for consensual”, as ações do eventual governo petista. Assim como a versão nacional, o conselho gaúcho será formado por empresários, trabalhadores, produtores rurais, intelectuais e representantes de movimentos sociais que sejam “respeitados” e capazes de “falar em nome de cada um desses setores”, explicou o pré-candidato.

“A criação do conselho será uma ação para o primeiro mês de governo”, afirmou. O CDES-RS será vinculado ao gabinete do governador e terá como tarefas estabelecer diretrizes para investimentos públicos, participar de uma “comissão permanente de negociação” com os servidores estaduais e definir prioridades para o chamado Programa de Retomada do Desenvolvimento Econômico e Social do Rio Grande do Sul.

Compartilhe!

5 Comentários

  1. se este CONSELHÃO…for com pessoas de alto saber…nas mais diversas areas da SOCIEDADE, sem REMUNERAÇÃO…tudo bem…q seja criado, mas q nao seja de PAUS MANDADOS, OU OVELHINHAS, OU DAQUELES Q LEVANTAM AS BANDEIRAS…queremos gente q conheça os PROBLEMAS DO RIO GRANDE Q ESTA FALIDO, OS ULTIMOS GOVERNADORES TODOS POS DITADURA CONTRIBUIRAM PARA ISTO…portanto tenham muito cuidado ao escolher os MEMBROS.- jader martins.-

    Responder
    • Caro Jader, a exemplo do CDES do governo federal, não há remuneração para os membros deste tipo de conselho. Abraço.

      Responder
  2. Empresários negociarem com servidores públicos? Que idéia maluca é essa! O Governo Tarso não pode fugir da sua responsabilidade de governar e de negociar com os trabalhadores públicos. Com essa, começa mal o Governo Tarso

    Responder
    • Já começaria mal se fosse eleito o Tarso! Se o povo tiver um pouco de ‘memória’, não trazer de volta um governo do PT.

      Responder
      • Um povo com memória certamente sente muitas saudades do governo petista. Porto Alegre que o diga!

        Responder

Deixe uma resposta